Companhias arrocham fiscalização no aeroporto de Natal sobre bagagem de mão; quem descumprir regra retorna ao chek-in para pagar taxa

Não está fácil para ninguém que precise usar o aeroporto de Natal.

Após os exorbitantes preços de passagens, agora as companhias aéreas decidiram iniciar um movimento nacional para evitar que o viajante passe com bagagem de mão sem despachá-la.

Lembrando que, quem precisar despachar, deve pagar valor excedente.

Mas o movimento não é nacional, Dinarte?

É. Coordenado pela Abear, a associação das companhias aéreas. Mas, vejam só.

Não está operando em todos os aeroportos essa dinâmica.

Começou por Natal, Brasília, Curitiba e São Paulo (apenas em Viracopos).

Oficialmente, as companhias dizem que é para agilizar o fluxo dos passageiros de embarque.

Na prática, a realidade é outra. Porque as companhias estão verificando se o tamanho e o peso permitido da bagagem são os mesmos.

E se não for?

Aí você será reencaminhado ao check-in da empresa para despachar a bagagem. E terá de pagar a taxa cobrada pela companhia, conforme revela reportagem do jornal O Estado de S.Paulo.

A bagagem de mão deve ter até 55 centímetros de altura, 35 centímetros de largura e 25 centímetros de profundidade – incluindo alça, bolsos e rodinhas –, dimensões que seguem os padrões da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA, na sigla em inglês). Também há um peso máximo estabelecido: dez quilos.

About author

dinarteassuncao

Comente: