Seturn pede revisão de tarifa e alerta para colapso no sistema; STTU diz que analisa pleitos

Aumento de tarifa nos ônibus de Natal? Esse é um dos desejos do Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros do Município de Natal, o Seturn. Nessa quarta-feira (20), o grupo enviou uma carta com uma série de pleitos para a Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana, a STTU. O documento foi endereçado à secretária Elequicina Santos.

Além do pedido de resivão tarifária, que até chegou a acontecer no final de fevereiro com a mudança para R$ 4,35 (no pagamento em dinheiro) e R$ 4,15 (no cartão) entrando em vigor em 1º de março, mas que houve desistência do prefeito Álvaro Dias, o Seturn quer auxílio econômico e desoneração. Para o sindicato, as medidas visam evitar um colapso no sistema de transporte público de Natal.

De acordo com o Seturn, desde o início das medidas de restrição de circulação de pessoas devido à pandemia do novo coronavírus, a redução de cerca de 70% dos passageiros tem gerado prejuízos ao setor. O consultor técnico do sindicato, Nilson Queiroga, alertou que as empresas terão dificuldade para pagar os salários e negociar os direitos trabalhistas a partir de maio.

“No estado de calamidade pública, o desequilíbrio foi alçado a patamares nunca visto. Com 30% de passageiros em circulação, não há como cobrir as despesas das empresas, pagar a folha deste mês e assegurar benefícios reclamados por motoristas e cobradores”, salientou.

Segundo Queiroga, uma simulação de cálculo tarifário feita pelo Seturn e apresentada à STTU aponta um custo quilométrico de R$ 6,92 no mês de abril. Por outro lado, a análise indicou que a receita das empresas por quilômetro foi de R$ 4,25. Assim, as empresas alegam um prejuízo de R$ 2,67 por quilômetro.

“Requeremos, pela terceira vez, a compensação do déficit tarifário, com as medidas previstas na Lei de Mobilidade Urbana por meio receitas extratarifárias, receitas alternativas ou subsídios orçamentários; sugerindo, ainda, a isenção de ISS, aquisição de passagens antecipadas, a concessão de subvenção do serviço do Prae, dentre outras medidas que supram o desequilíbrio econômico”, acrescentou.

Em nota, a Secretaria de Mobilidade Urbana de Natal disse que as demandas estão “sob análise da equipe técnica”. Além disso, a STTU informou que “vem acompanhando diariamente a demanda de passageiros e solicitando reforço na frota para atender a população nos horários em que é constatado o aumento de demanda”.

Gratuidades

Outro pleito do sindicato das empresas é para que haja uma limitação no fluxo de idosos estudantes. Sobre isso, a STTU afirmou que “não existe nenhum posicionamento sobre suspensão de gratuidade para idosos e estudantes”.

Nas últimas semanas, os motoristas e cobradores do sistema de transporte público de Natal realizaram uma série de protestos parando os ônibus em vários pontos da capital potiguar, entre eles no Alecrim, na Ribeira e na Avenida Bernardo Vieira. A categoria cobra direitos trabalhistas e a manutenção dos empregos dos cobradores. A última delas foi na segunda-feira (18).

Foto: Heilysmar Lima

About author

dinarteassuncao

Comente: