Quem iria para a cadeia se a operação que prendeu fundador da Ricardo Eletro por sonegação fiscal se replicasse no RN?

8 de julho de 2020

Ah, se fosse copiado o modelo de Minas Gerais que levou à prisão o fraudador de tributos da Ricardo Eletro, cujo nome está orbitando em torno de R$ 387 milhões em fraudes.

Replicassem aqui o modelo, muita gente correta seria convidada à prisão.

Senão vejamos, para ficar em um exemplo raso: auditoria da Controladoria Geral do Estado identificou sonegação fiscal dentro do próprio Executivo.

Como funcionava?

Fornecedores de alimentos do governo faziam as notas fiscais, entregavam ao governo para receber o pagamento pelo serviço, mas cancelavam o registro em seguida, deixando de pagar os impostos federais e estaduais. O prejuízo vinha sendo de quase R$ 2 milhões por mês.

Contra essa gente, há multa.

Já contra os pequenos, há apreensões e a força bruta do estado, como em janeiro de 2019, quando uma operação saiu em estabelecimentos do Oeste potiguar apreendendo maquinetas de estabelecimentos.

O que você está defendendo, Dinarte, que a lei não seja aplicada aos pequenos?

Não. Mas que o mesmo rigor seja aplicado aos grandes.

Tenham ideia do que deve acontecer no mundo da sonegação: o valor das 100 pessoas que mais devem ao estado é de quase R$ 700 milhões.

Chama-se dívida ativa. E nela está o registro do que foi feito legalmente e não foi pago.

Se as empresas que prestaram o serviço dentro da legalidade devem quase R$ 700 milhões, quanto não estará devendo quem atua por baixo dos panos?

Comentários 0


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code