Governo deposita nesta segunda R$ 1,90 para cada R$ 100 que trabalhador tinha no FGTS no fim de 2019

31 de agosto de 2020

O governo deposita nesta segunda-feira, 31, uma parte do lucro obtido pelo Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) em 2019. O pagamento foi autorizado no início do mês pelo conselho curador do fundo. Cada trabalhador vai ter depositado na sua conta R$ 1,90 para cada R$ 100 que tinha em sua conta do FGTS no dia 31 de dezembro do ano passado.

Ao todo, serão distribuídos R$ 7,5 bilhões aos trabalhadores, valor equivalente a 66,2% do lucro do FGTS em 2019. Esse dinheiro será distribuído de forma proporcional ao saldo das contas vinculadas.

Por lei, o FGTS tem rendimento de 3% ao ano. Com a distribuição dos lucros, o rendimento referente a 2019 passou para 4,9%.

Assim, sem essa remuneração, para cada R$ 100 que o trabalhador tinha na conta no início de 2019, teria R$ 103 ao final do período. Com a distribuição dos lucros, o saldo passa a R$ 104,90.

Ou seja, o trabalhador vai ter depositado em sua conta do FGTS hoje R$ 1,90 para cada R$ 100 que ele tinha no fundo no dia 31 de dezembro.

Segundo informou a Caixa, são cerca de 167 milhões de contas, ativas (empregos atuais) e inativas (contratos anteriores), que receberão crédito da distribuição de resultados. O valor médio distribuído por conta FGTS será de R$ 45.

Os trabalhadores poderão consultar o valor do crédito a partir desta segunda no APP FGTS, site da caixa (fgts.caixa.gov.br) ou internet banking Caixa.

Embora seja pago em agosto de 2020, o rendimento é referente a 2019. Assim, os depósitos serão feitos considerando o valor nas contas em 31 de dezembro de 2019. Quem sacou depois disso (por ter sido demitido ou para compra da casa própria, por exemplo), não perde o rendimento.

Quem fez saque antes da virada do ano vai receber só proporcionalmente ao dinheiro que tinha na conta no último dia do ano passado.

O rendimento extra será depositado nas próprias contas do FGTS dos trabalhadores. A forma de saque e os pré-requisitos para retirar o dinheiro não se alteram com o novo depósito por parte do fundo.

As regras continuam as mesmas: apenas trabalhadores demitidos sem justa causa, que terminaram contrato por prazo determinado, deram entrada em moradia própria ou na aposentadoria têm acesso ao saldo total.

Estadão – Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Comentários 0


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code