fbpx


Cientistas agora querem saber quanto tempo a proteção das vacinas vai durar

5 de abril de 2021

CNN Brasil
Saúde
ANOMALIA MAGNÉTICAFenômeno atinge BrasilESTUDOReinfecções mais gravesPAULO GUSTAVOPulmão artificialNOVA ONDA?Mini SUVs
Cientistas agora querem saber quanto tempo a proteção das vacinas vai durar
Novas variantes do coronavírus impõe desafio adicional às fabricantes de vacina
Maggie Fox, da CNN
04 de abril de 2021 às 23:01

Profissional de saúde aplica vacina Pfizer/BioNTech contra Covid-19 na França
Profissional de saúde aplica vacina Pfizer/BioNTech contra Covid-19 em paciente em hospital em Nanterre, na França
Foto: Benoit Tessier/Reuters (5.jan.2020)
Ian Haydon foi voluntário nos testes da vacina da Moderna contra o coronavírus no ano passado. Agora, ele está ajudando a testar uma nova versão da vacina, projetada para combater uma variante mais contagiosa.

“Um ano atrás eu participei dos testes da vacina da Moderna para ver se ela era segura. Agora, quando completei um ano desde a vacinação, estou feliz em compartilhar que eu acabei de receber a segunda dose. Este experimento vai mostrar se as vacinas adaptadas às novas cepas aumentam a imunidade e são seguras”, escreveu Haydon, que é especializado em comunicação na Universidade de Washington, em sua conta no Twitter no último sábado (3).

“AInda não está claro se essa nova versão vai ser mesmo necessária, mas ela está sendo desenvolvida e testada para que possamos ter uma opção”, disse Haydon à CNN, por telefone.

Os médicos estão preocupados que o coronavírus causador da Covid-19 possa seguir a dinâmica dos vírus da gripe, que necessitam de novas vacinas a cada ano, e isso porque tanto as cepas em circulação sofrem mutações rapidamente quanto porque a imunidade da vacina diminui em pouco tempo.

Embora as primeiras evidências sugiram que a imunidade da vacina contra a Covid-19 forneça proteção duradoura, os fabricantes de vacinas já começam a testar e a produzir novas versões dos imunizantes voltadas contra as variantes mais preocupantes do vírus, o que inclui da cepa B.1.351, vista pela primeira vez na África do Sul, e que, nos testes em laboratório, carrega em si uma mutação que parece driblar a resposta imunológica do corpo humano.

Veja a reportagem completa na CNN Brasil.

Comentários 0


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code