fbpx


Amigos lamentam assassinato de jornalista na Bahia: ‘Mãe, irmã, filha e amiga inesquecível’

4 de janeiro de 2022

O assassinato da jornalista Juliana de Freitas Alves, de 41 anos, em Porto Seguro, no sul da Bahia, na última sexta-feira, noite de réveillon, provocou comoção nas redes sociais. Amigos e colegas de profissão da mulher lamentaram a morte violenta.

Marido da vítima, o engenheiro Reges Amauri Krucinski, de 43 anos, confessou o crime e teve a prisão preventiva decretada pela Justiça.

Juliana era sócia de uma agência de comunicação especializada na área de odontologia. Em nota, a empresa pediu por justiça.

“Ju deixou um lindo legado nesses anos de estrada no jornalismo e na comunicação, e ele será preservado. Uma mãe, irmã, filha e amiga inesquecível. Nossa equipe agradece aos amigos e parceiros que demonstraram apoio desde o ocorrido, e contamos com o suporte de todos para que seja feita a justiça”, diz o texto.

Juliana também foi homenageada em sua página pessoal. “Meu Deus, inacreditável e inaceitável o que aconteceu. Meus sentimentos, muita força e paz para a família, que as crianças tenham muito amparo e carinho pelos entes queridos”, escreveu um amigo.

Tiros na cabeça e no tórax

Juliana foi baleada três vezes na cabeça e uma no tórax quando estava em casa, num condomínio no bairro Xurupita. Vizinhos contaram terem ouvido os disparos durante uma discussão — que teria ocorrido na presença de uma babá e da filha da vítima, de 10 anos — ocorrida pouco antes da virada do ano. A jornalista chegou a ser socorrida por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas não resistiu.

O GLOBO

Comentários 0


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code