fbpx


TRÉPLICA: É sua, José. A farsa é sua

8 de janeiro de 2022

Vejam vocês que algumas previsões prescindem de dados científicos. Basta conhecer um pouquinho da alma humana.

Eu, por exemplo, tenho sido chamado de canalha, como disse que haveria de ser, por ter aviltado “A Ciência” materializada no astrônomo José Dias.

Me senti muito contemplado com o texto que ele fez.

Porque, em resumo, a defesa dele reforça meu argumento a seu respeito.

Dias tem trânsito livre em veículos nacionais e locais. Fala sem ser incomodado. Um artigo que o contesta foi suficiente para ele se mobilizar fortemente.

Ele tem os aplausos de 99%, mas preferiu se dignar a atender aquele 1%.

Esse comportamento reforça que não se trata de ciência, mas de vaidade, como escrevi.

Não acho que o cientista tenha errado – sim, ele errou: O CARNATAL NÃO ALTEROU O CENÁRIO DA PANDEMIA DE COVID-19 NO RN – por má-fé.

Ele é, de fato, brilhante. Mas, humano, suscetível aos erros da matéria.

Reforço

Aí está um novo relatório do Lais informando que o Carnatal não alterou coisa nenhuma o cenário da pandemia de covid-19 no RN.

Para mim nunca se tratou de defender uma festa a qualquer custo.

Não tenho meu nome no jornalismo para chafurdos.

Já aprendi a reconhecer a hora de questionar e me chamou atenção que o cientista tenha vaticinado, antes e depois da festa, que haveria piora.

Isso não é ciência.

Se meus colegas que me atacam acham que o é, que se resolvam com suas deficiências de senso crítico.

E não é a mesma coisa?

Ah, Dinarte, mas o aumento da demanda por leitos covid-19 aumentou.

Sim. Isso eu nunca ousei constestar. Não uso chapéu de alumínio nem frequento o cercadinho do Alvorada.

Que o aumento aconteceu, isso estava dado e reconhecido. O contestado foi dizer que o número dobrou, quando as médias móveis não atestam isso.

Dias esteve tão obcecado em atribuir um efeito a uma causa que não foi perguntar à Sesap o que causou o aumento na demanda por leitos – e foi influenza, e não covid.

Mas reclamou que eu não tenha ido a ele tirar dúvidas.

Também me pareceu que o uso da palavra farsa tenha suspendido sobre ele os efeitos da lei da gravidade, visto que ele subiu aos céus em cólera.

Presumindo que tenha o cientista todas as respostas, ele haverá de saber que a etimologia da palavra farsa é essa: história ilustrando uma intenção.

Poderemos discutir se o Carnatal afetou nesse surto de influenza? Com certeza.

Mas está dado que o argumento do astrônomo, que a festa piorou o cenário da pandemia, é falso.

Por fim

Eu concordo integralmente com uma coisa que o astrônomo escreveu.

Eu havia pensado em encerrar com Isaac Newton, que cunhou uma frase simples sobre a soberba: “O que sabemos é uma gota; o que ignoramos é um oceano.”

Mas haverei de preferir concluir com José Dias.

Disse ele: A boçalidade no RN, assim como em muitos outros lugares, esperneia quando não consegue calar quem vai contra a corrente.

Comentários %


Uma resposta para “TRÉPLICA: É sua, José. A farsa é sua”

  1. João Manoel disse:

    Gostei dessa respossta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code