Blog do Dina - Campanha de Bolsonaro minimiza efeito de ataque a mulheres e vai insistir em corrupção contra Lula


Campanha de Bolsonaro minimiza efeito de ataque a mulheres e vai insistir em corrupção contra Lula

29 de agosto de 2022 às 13:06

A campanha do presidente Jair Bolsonaro (PL) comemorou o embate com Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em torno de corrupção no debate neste domingo (29) e quer repetir a fórmula em futuros confrontos.

Ainda que fosse evidente que o atual chefe do Executivo exploraria os escândalos das gestões petistas, Lula tergiversou ao ser confrontado. O episódio, de acordo com aliados de Bolsonaro, passou a impressão de que estaria fugindo da pergunta e aumentou a rejeição do eleitorado a ele.

O evento foi organizado por Folha, UOL e TVs Bandeirantes e Cultura e durou quase três horas. Lula e Bolsonaro foram os últimos a confirmar presença no evento —após dias de incertezas nas campanhas.

No debate, Bolsonaro perguntou ao ex-presidente, seu principal adversário na corrida eleitoral, se o petista queria voltar ao poder para continuar a corrupção na Petrobras. Lula afirmou então que "inverdades não valem a pena na TV", assim como "citar números mentirosos", e listou medidas anticorrupção de seu governo, entre as quais a criação do Portal da Transparência e da Lei de Acesso à Informação.

Na réplica, Bolsonaro citou a delação de Antonio Palocci, ex-ministro de Lula e Dilma Rousseff (PT), para afirmar que o governo do ex-presidente foi feito "a base de roubo". A própria campanha de Lula avaliou como negativa a resposta do petista, como mostrou a coluna da Mônica Bergamo.

Se o presidente levou vantagem ao confrontar Lula sobre corrupção, derrapou ao atacar as mulheres nas figuras da jornalista Vera Magalhães e da candidata Simone Tebet (MDB) —ele disse que elas são "uma vergonha". A avaliação também foi compartilhada por integrantes da campanha. Além de ele ter sido machista, o que não contribui para angariar o voto feminino, provocou reação forte dos adversários.

O movimento fortaleceu a tese de uma parte do entorno de Bolsonaro, composta por ministros da ala política, de que ele não deveria mais comparecer a debates no primeiro turno. A leitura desse grupo é a de que seria melhor se o chefe do Executivo participasse apenas de confrontos no segundo turno.

Em segundo lugar nas pesquisas de intenção de votos, Bolsonaro está 15 pontos atrás de Lula. A pesquisa mais recente do Datafolha mostrou o petista com 47% ante 32% do presidente.

Ninguém arrisca dizer, por ora, se o presidente participará ou não de futuros debates.

A experiência dos últimos dias, marcada por vaivém sobre sua ida à Band demonstra, a dificuldade de Bolsonaro de tomar decisão. Aliados afirmam que cabe a ele bater o martelo.

Apesar de considerarem o ataque às mulheres um ponto negativo, integrantes da campanha minimizaram seus efeitos eleitorais. Para eles, as mulheres mais pobres, parcela do voto feminino que Bolsonaro precisa atrair, não assistiram ao debate e estão mais preocupadas com questões econômicas.

O entorno do presidente lamentou ainda que ele não tenha explorado com intensidade respostas que destacariam melhoras na economia, como redução do desemprego.

Folha de S. Paulo

Comentários [0]


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.