fbpx


Preço do leite subiu 60% nos últimos 12 meses

10 de setembro de 2022

O leite ficou 60,81% mais caro nos últimos 12 meses, mostram dados da inflação divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta 6ª feira (9.set.2022). Em agosto, o produto registrou queda de 1,78%. No mês anterior, havia subido 26%. No ano, acumula alta de 74%.

Segundo a economista Nilza Aparecida dos Santos, a alta se dá principalmente pela entressafra, o período intermédio entre uma safra e outra, a guerra na Ucrânia, a seca que o país enfrentou e pelo aumento no preço da arroba do boi no mercado. “O aumento [da arroba do boi] pode levar o produtor a migrar para a produção de carne“, afirmou.

Entre os itens que compõe a mesa de café da manhã dos brasileiros, o café foi o produto que mais encareceu depois do leite, subindo 46,34% no período.

O pão com manteiga também ficou mais caro. No acumulado do ano, o preço do pão francês subiu 16,73%, enquanto a margarina e manteiga registram alta de 24,19% e 22,60%, respectivamente.

Nilza Aparecida dos Santos afirma que o Brasil produz “menos da metade” do trigo consumido e precisa importar grandes quantidades do grão de outros países.

“A guerra influencia no preço das commodities, visto que Rússia e Ucrânia representam 30% das exportações de trigo no mundo. O risco de redução da oferta desses países e o aquecimento da demanda pelo trigo pressionam os preços para cima“, diz Nilza.

Quem consome ovos no café da manhã observou o preço do produto ficar 17,4% mais caro no acumulado dos últimos 12 meses. Já o queijo aumentou cerca de 27%.

O presunto é o único item que subiu abaixo do acumulado de 12 meses da inflação. O produto subiu 6,5% enquanto a taxa do IPCA está em 8,73% no período.

Café com leite caro

De acordo com a economista do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) Mariel Angelo Lopes, a alta no preço do café tem relação com a desvalorização do real e com as mudanças climáticas.

Ela afirma que a maior parte da produção brasileira é destinada a exportação. Com a desvalorização da moeda frente ao dólar, a economista diz que fica mais vantajoso para o produtor exportar, segundo a economista. Como consequência, há redução da oferta no mercado interno e o aumento de preços, partindo da lei da oferta e da procura.

“Nos últimos anos têm ficado cada vez comum que nós tenhamos variações expressivas no preços dos alimentos por causa das mudanças climáticas. Quebra de Safra ou às vezes seca prolongada ou um período de chuva muito longo… Isso tudo atrapalha os produtores, então acaba tendo um impacto nos preços”, disse Mariel.

A ONU (Organização das Nações Unidas) alerta, desde 2019, sobre o risco das mudanças climáticas para a produção de alimentos. De acordo com a organização, se o aquecimento global ultrapassar o limite de 2ºC estabelecido pelo Acordo de Paris, os solos férteis podem se transformar em desertos e a seca e os fenômenos meteorológicos podem prejudicar a segurança alimentar global.

O Brasil registrou queda de preços – deflação – pelo 2º mês consecutivo. Em agosto, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) caiu 0,36%, de acordo com o IBGE. No acumulado de 12 meses, a inflação está em 8,73%. A deflação registrada neste mês foi a 2ª maior desde o Plano Real, de 1994. Em agosto de 1998, houve queda de 0,51% nos preços.

Perspectivas

Mariel Lopes projeta que os preços devem manter o patamar elevado pelos próximos meses. Segundo ela, embora o Brasil tenha registrado deflação pelo 2º mês consecutivo, a queda foi puxada pelo preço dos combustíveis e da energia elétrica, o que influencia de forma indireta o valor dos produtos alimentícios. Apesar disso, ela afirma que a queda do ICMS pode ter um impacto de médio prazo sobre o preço dos alimentos.

“Ao mesmo tempo em que os preços estão subindo, as margens dos produtores, dos vendedores e dos supermercados estão muito apertadas. Há uma discussão de tentar aproveitar esse momento em que houve uma queda significativa na inflação por causa da queda dos preços dos combustíveis e tentar fazer alguns reajustes nos custos de produção e de transporte que estavam parados nos últimos anos porque os preços todos estavam subindo muito”, disse.

Para a economista Nilza Aparecida dos Santos, a expectativa de alta do dólar e o desequilíbrio das contas do governo afetam o preço dos alimentos e impedem uma queda mais significativa, especialmente para as famílias de menor renda.

Poder360

Comentários 0


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

code