VÍDEO: Cena de casal na Praia do Forte transando ao lado de crianças viraliza no Brasil e reacende discussão sobre homofobia

Postado no último sábado no Twitter, o vídeo de um casal nitidamente transando nas piscinas naturais da praia do Forte reacendeu a discussão sobre homofobia.

Na postagem original, até a publicação deste post, o vídeo tinha 1,2 milhão de visualizações 2,5 mil retuítes e 11 mil curtidas.

Apesar de postado no sábado, não é possível concluir que se trata de um vídeo recente.

A voz de uma mulher no vídeo citando “Esse é o Brasil que eu quero”, campanha da Globo, nos situa que o vídeo com certeza foi feito a partir de fevereiro de 2018, quando a campanha foi lançada.

Nas imagens, a voz de um homem, que está gravando, narra o que acontece.

“Só em Natal, ó […] um cara comendo a mulher dentro da água. Esse é o Brasil de hoje. A galega tá com a bexiga, viu”, narra o autor do vídeo antes de arrematar: “Olha que presepada do caralho”.

No Twitter, as reações são de críticas a partir de perguntas como: “e se fosse um casal homossexual?”

Confira a publicação original:

Com Messi gay no gol e ataque com CR7 e Romário, time de Goianinha é destaque na imprensa nacional

Na Folha

Imagine uma triangulação entre Romário, Bebeto e Sorato que termine com a finalização de CR7. Ou ainda um lance em que o centroavante adversário, livre, perde gol feito por causa de uma defesa milagrosa de Messi.

No Campeonato Potiguar, isso é mais do que comum. O Palmeira da cidade de Goianinha, a 60 km de Natal, tem em seu elenco jogadores que ostentam nomes de astros do futebol mundial.

Fundado em 1959 como Palmeiras Futebol Clube, a equipe se profissionalizou em 2009. O presidente da época foi a Natal para registrar o nome do time na federação e, ao redigir, esqueceu o “s”. O erro, porém, só foi notado quando já estava de volta à Goianinha.

Além do nome e das cores em verde e branco, outra similaridade com o time paulista é o escudo com a letra P.

Se o Messi do Barcelona encanta o mundo por sua genialidade com os pés, o Messi palmeirense faz a diferença com as mãos. O goleiro conta que o apelido foi se transformando ao longo dos anos. “Eu me chamo Jamerson. Daí, me chamavam de Méssio. Depois foi mudando até virar Messi”, diz.

O Messi do Nordeste ganhou as manchetes há quase dez anos, por ter assumido sua homossexualidade. Um dos jogadores mais experientes do elenco, com 33 anos, ele é reverenciado na cidade.

“Todo mundo gosta dele. Uma bandeira nesta luta contra a homofobia. Ele não sofre nenhum tipo de preconceito. É um verdadeiro ídolo para nossa torcida”, diz Souto.

José Aleson de Oliveira Araújo, 23, no entanto quer se desvincular do apelido. Ele ganhou a alcunha por usar o mesmo corte de cabelo de Flávio Caça Rato, jogador que atuou por Santa Cruz e Guarani.

“Quero fazer a minha história. Já pedi para a imprensa daqui me chamar de Aleson Taz [em homenagem ao personagem do desenho animado ‘Taz-Mania’]”, afirmou.

Enquanto essa mudança de nome não acontece, o CR7 continua sendo chamado pelos mais íntimos de “Caça”.

Recuperado de uma contusão que o fez perder lugar no time, o que ele mais quer agora é voltar a ser titular. “Comigo é gol e correria. Tenho certeza de que vamos dar a volta por cima e reagir no campeonato”, disse o atacante que sonha jogar pelo Milan, da Itália.

O atacante titular agora é outro com nome de craque: Romário. Dos três gols do Palmeira no Estadual, dois foram do camisa 9. Mas ao contrário do Baixinho, o artilheiro do Verdão tem outro estilo.

“Ele é grande, gosta de trombar com os zagueiros, é o típico jogador de área mesmo”, disse Alisson Herculano, preparador físico da equipe.

No meio de campo, está outro jogador com nome de artilheiro. Jânio Sorato Ferreira do Nascimento, 29, nasceu um mês depois de o Sorato famoso fazer o gol do título do Brasileiro de 1989 pelo Vasco, na vitória por 1 a 0 sobre o São Paulo.

“Meu pai era vascaíno. Aí também virei Sorato. O engraçado é que naquela época Bebeto e Sorato jogavam juntos no Vasco. Agora, o Palmeira também tem Sorato e Bebeto”, brincou o volante, citando seu parceiro no meio de campo, Adauberto Marinho Barbosa, o Bebeto.

Diferentemente do homônimo famoso, Bebeto está no início da carreira. Participou do elenco que conseguiu o acesso em 2018 e, aos 22 anos, é o coringa do time, jogando em várias posições.

Você nunca mais será surpreendido sendo inserido indevidamente em grupos no WhatsApp

Começa a valer a partir desta quarta-feira (3) a nova regra de privacidade do WhatsApp para a entrada em grupos. A partir da atualização do aplicativo nos sistemas Android ou iOS, o usuário vai poder decidir se quer ou não entrar em determinado grupo, e decidir que apenas contatos já salvos na agenda telefônica vão poder adicioná-lo.

Para ativar a nova função, é necessário ir ao campo “configurações” no WhatsApp. A opção “ninguém” será para aprovar as solicitações. “Meus contatos” servirá para pré-aprovar a agenda de contatos, e a opção “todos” mantém o aplicativo como funciona atualmente.

De acordo com o WhatsApp, quem quiser incluir um telefone novo em um grupo deverá mandar uma mensagem privada, e o convite deve ser respondido em até três dias.

 

Sexo e poder: Livro conta bastidores de Brasília pela boca de prostitutas

Silvio Barsetti, autor de “A Farra dos Guardanapos – O último baile da era Cabral”, lançará outro livro polêmico, informa O Dia.

Na Editora Máquina de Livros, Barsetti traz o livro “A história do poder em Brasília contada pelas prostitutas de Brasília”, que pelo nome, promete dar o que falar.

O livro está previsto para ser lançado ainda este ano, em agosto.Silvio é repórter do site Portal Terra e é conhecido principalmente por ter feito entrevistas polêmicas com o técnico Tite e o jogador Neymar.

Do blog: É vasto o folclore que historia a relação entre o poder e as prostitutas. No Rio Grande do Norte, as histórias não documentadas envolvem voos a Fernando de Noronha com prostitutas de luxo à batida policial em motel onde estavam políticos e garotas de programa. O livro vai dar o que falar.

Crescimento da aids em Natal é o maior entre capitais no Nordeste; cidade tem o dobro do segundo lugar

O Blog do Dina publica nesta terça-feira (26) reportagem revelando que os casos de aids em Natal disparam em 149%.

Os dados são do Ministério da Saúde.

Os números estão ordenados no relatório por taxas absolutas.

O blog, então, os relacionou por ordem de crescimento de taxas. No Nordeste, Natal teve o maior crescimento entre 2006 e 2017.

Confira:

Natal de 13,2 para 31,9, aumento de 141%

Aracaju de 16 para 27,4, aumento de 71%

Maceió, de 18,8 para 31,3, aumento de 66%

São Luís de 29,6 para 47,6, aumento de 60%

João Pessoa de 17,4 para 25,8, aumento de 48%

Teresina de 19 para 27,7, aumento de 45%

Fortaleza de 20,5 para 27,1, aumento de 32%

Salvador, de 23,1 para 24,9, aumento de 7%

Recife, de 35,7 para 36,9, aumento de 3%

A explosão da Aids em Natal: na contramão do Brasil, casos da doença disparam 149% na capital do RN

Em 12 anos, a taxa de detecção de casos de aids mais que duplicaram na capital do Rio Grande do Norte.

Era 13,2 para cada grupo de 100 mil habitantes em 2006. Em 2017, o número chegou 31,9, um aumento de 141%.

Nacionalmente, o movimento foi contrário. A taxa do Brasil era de 19,9% em 2006 e de 18,3% em 2017.

Aids é quando o quadro de infecção por HIV se manifesta em forma de doença. Nem toda pessoa que tem HIV, portanto, tem aids, já que o vírus pode ficar latente por até 20 anos antes de se manifestar.

Os números são do Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde. O relatório foi obtido pelo blog em janeiro. Nesta terça-feira (26), ele não estava mais na página do Ministério da Saúde.

O texto aponta apenas as estatística, mas não explana as causas das variações.

Não há dados discriminando a categoria de exposição por cidade, mas há por regiões. Em todas as regiões a predominância é sobre heterossexuais, exceto na região Sudeste.

No Nordeste, os números mais atuais são os seguintes: quanto aos homens, 51,5% das infecções foram em héteros, 8,9% em bi e 36,6% em homo.

Nas mulheres, na região Nordeste, a quase totalidade, 98% eram em héteros.

Ao longo do dia, o blog procurará especialistas e agentes públicos para comentar o assunto.

Este pai de uma das vítimas de Suzano tem uma mensagem de lucidez para todos nós em meio a esse ódio

Ação judicial exige que Gaviões da Fiel se retrate por triunfo de Satanás sobre Jesus

A Gaviões da Fiel está sendo processada por seu último desfile no carnaval de São Paulo, informa Fausto Macedo, no Estadão.

O advogado Carlos Alexandre Klomfahs alega que a escola ‘desrespeitou o símbolo e a religião cristã’ ao apresentar em sua comissão de frente uma disputa entre duas figuras religiosas, Jesus e o diabo, na qual, aparentemente a figura cristã é vencida pela representação maléfica.

Quem protagoniza o vídeo compartilhado por Bolsonaro

Danilo Thomaz conta na Época quem é a criatura que protagoniza a cena divulgado em vídeo pelo presidente Jair Bolsonaro.

Trata-se de Paulx Castello e/ou Sofia Lacre. 

Isso mesmo. Não se identifica com gênero definido, mas se acolhe sob a identidade feminina. Prefere ser chamada de Sofia. Sua intervenção foi uma performance.

“Artista formada pela Universidad Nacional de las Artes (UNA), na Argentina, foi uma das realizadoras do Kuceta (póspornografias): festival de cultura e política sexodissidente realizado em junho do ano passado em São Paulo que, conforme descrição, pretende “exibir algo do que tem sido produzido em relação a sexualidades não normativas”, ou seja, as sexualidades que estejam fora dos padrões usuais de gênero e orientação sexual”, conta Danilo na Época.

Ainda segundo a revista, a apresentação não se resumiu à chuva dourada. Sofia sacudiu, ainda, os cabelos molhados de urina, atingindo os passantes. Ela e o rapaz que a acompanhava no palco improvisado também se penetraram com os dedos. Antes, de acordo com relatos, ela havia defecado na rua.

Após a repercussão, Sofia fechou suas contas nas redes sociais.

É bem docinho: ‘mamães ricas’ potiguares buscam seu ‘boy magia’ perfeito em serviço de relacionamento patrocinado

O serviço de patrocínio que popularizou o termo sugar baby tá ó… da hora.

A pedido do Blog do Dina, eles enviaram dados sobre os usuários no Rio Grande do Norte. Meu pedido inicial era especificamente sobre mulheres porque o serviço para homens já era conhecido.

Mas eles devolveram os dados sobre homens e mulheres mais velhos (1.681 pessoas sugars) que estão dispostos a patrocinar os babies (6.669 garotos e garotas). 

Pela ordem: quem é quem no universo sugar (açúcar, em inglês).

Sugar Mommy é uma mulher bem-sucedida, experiente, madura e autoconfiante. Estão cansadas de relacionamentos tradicionais e procuram homens mais jovens para se relacionar.

via GIPHY

Passado!

via GIPHY

O serviço descreve ainda as sugar mommies como dispostas a ajudar financeiramente o seu parceiro e estão em busca de um companheiro para se divertir e quem sabe até namoro sério.

E no RN? Relutaram em dar dados mais estratificados. Mas para cada sugar há quatro babies. É um mercado babado, né? Claro! As mommies são conhecidas por cuidar bem direitinho de seus babies (Há um depoimento sobre esse cuidado ao fim dessa matéria)

via GIPHY

Você é essa mulher disposta a ajudar financeiramente o seu bebê e está em busca de um companheiro para se divertir e quem sabe algo sério?

Pois pague para começar, fofa.

via GIPHY

Para conversar com os boys, as mamães devem começar desembolsando valores de R$ 199,00 a R$ 999,00, um troco para as mulheres bem sucedidas.

Nós temos depoimentos, produção? Quero depoimentos das mamães.

via GIPHY

Joana é uma Sugar Mommy de 47 anos que decidiu entrar no mundo Sugar depois de terminar um casamento de 9 anos.

“Sou CEO de uma agência de relações públicas, vim de uma família com uma boa condição financeira e sempre gostei muito de desfrutar tudo aquilo que a vida me proporcionou. Já viajei o mundo, conheci restaurantes incríveis, fui a exposições maravilhosas e aproveitei muito tudo o que estava ao meu alcance.

No lado amoroso, sempre me relacionei com homens da minha idade, fui casada por 9 anos com um cara até um pouco mais velho que eu.

Um pouco depois do meu divórcio, ouvi falar no Meu Patrocínio e me interessei. Era algo novo, totalmente fora do que eu estava acostumada. Exatamente o que eu estava buscando depois de me relacionar por tanto tempo com a mesma pessoa!

Conversei com muitos Babies que se impressionaram com minha trajetória profissional e minhas experiências da vida. Todos eles sempre muito curiosos, com aquela vontade de desbravar o mundo.

Isso dá um ânimo! Apesar de todos serem muito gentis, demorei um pouco para encontrar um Sugar Baby que tivesse tudo a ver comigo. Até que conheci Lucas, um músico de 24 anos que está investido na sua carreira artística.

Meu Baby trouxe uma luz para os meus dias, temos nos divertido muito. Saímos para jantar, fizemos algumas viagens aqui pelo Brasil e também ajudo Lucas na parte de RP da sua carreira. Tem sido uma verdadeira vida de mão dupla.

E o site, Dinarte?

Tá aqui. Pega.