[VÍDEO] Mulheres relatam no Instagram violência por funcionários de badalado bar de Natal; estabelecimento anuncia medidas

O caso aconteceu com @beatrizsnt, que relatou ter sido agredida com seu namorado no @seisempontomorrobranco. Uma amiga que estava com ela, a @annemedeiiros publicou vídeos nos stories acrescentando relatos de agressão.

Ao longo da produção desta matéria, as postagens da @beatriznst foram apagadas de seu feed no Instagram. ATUALIZAÇÃO: Anne Medeiros comentou a postagem do blog no Instagram informando que foi orientada pela advogada a ocultar as publicações.

Em nota, o Seis Em Ponto afirmou que repudia violência e anunciou apuração interna para apurar o que aconteceu.

Após se casar consigo mesma porque noivo a abandonou um dia antes, influencer se atira do 9º andar

Após se casar consigo mesma no último domingo, 14.07, a youtuber Alinne Araújo, conhecida como @sejjesincera, cometeu suicídio nesta segunda-feira, 15.07, informou a Glamour.

Ao tentar contato com a vizinha de Alline, Marcella Brugger, o site confirmou que a influencer se jogou do nono andar do prédio em que morava no Recreio dos Bandeirantes, no Rio de Janeiro.

Amiga e madrinha de casamento de Alline, Odara Marina, também confirmou o óbito em seu Instagram. Ao questionada se Alline estava bem, ela respondeu: “Não, gente, ela faleceu.”

A história de Alline viralizou no último domingo, quando a influencer anunciou que se casaria consigo mesma. Ela tinha planos de se casar com o então noivo, Orlando Costa, mas, segundo post feito por ela própria em seu Instagram, o rapaz teria desistido do casamento um dia antes da cerimônia — e terminou o relacionamento por mensagem de texto.

Confira sua última postagem no Instagram:

Órgão do MPF vem a público e critica conduta atribuída a Moro e Dallagnol sem citá-los diretamente

A Procuradoria Federal dos Direitos dos Cidadãos, braço da Procuradoria-Geral da República que atua na área de direitos humanos, publicou uma nota pública comentando o vazamento de mensagens entre procuradores revelado pelo site The Intercept Brasil no último mês e afirmando que as investigações contra corrupção não devem se tornar uma “cruzada moral”.

A nota, assinada na última sexta-feira (12), afirma que a apuração de casos de corrupção deve “respeitar integralmente todos os direitos fundamentais” fixados na Constituição e que é inadmissível que o Estado, “para reprimir um crime, por mais grave que seja, se transforme, ele mesmo, em um agente violador de direitos”.

LEIA TAMBÉM: Raquel Dodge convoca Deltan para reunião em meio a vazamento de mensagens

O comunicado não faz menção direta ao ex-juiz Sergio Moro e ao procurador Deltan Dallagnol, principais alvos de críticas após os vazamentos, mas diz que o caso “reforça a necessidade de compreensão das diversas dimensões dos direitos humanos e de promoção conjunta do enfrentamento à corrupção, do devido processo legal”.

Um trecho da nota afirma que um dos elementos essenciais é o direito a um julgamento perante juízes “independentes e imparciais, no qual o réu e seus advogados são tratados com igualdade de armas em relação ao acusador”.

“Portanto, é vedado ao magistrado participar da definição de estratégias da acusação, aconselhar o acusador ou interferir para dificultar ou criar animosidade com a defesa.”

Nos diálogos já revelados, foi mostrado, por exemplo, que Moro discutiu com a força-tarefa rebater publicamente a defesa do ex-presidente Lula após um depoimento do petista, em 2017, e que o então juiz sugeriu ao Ministério Público a inquisição de uma testemunha que poderia reforçar a acusação.

“Um julgamento justo somente ocorrerá quando estritamente observada a separação do papel do Estado-acusador (Ministério Público) em relação ao Estado-julgador (juiz ou tribunal). Portanto, o réu tem direito a ser processado e julgado por juízes neutros e equidistantes das partes”, diz a nota da Procuradoria.

O comunicado é assinado pela chefe do órgão, procuradora Deborah Duprat, e pelos colegas Domingos Dresch da Silveira, Marlon Weichert e Eugênia Gonzaga. Duprat já foi vice-procuradora-geral, de 2009 a 2013, e candidata a procuradora-geral.

Eles afirmam que, embora a comunicação informal entre partes e juízes seja prática arraigada no Judiciário brasileiro, não é permitido o aconselhamento ou a emissão de juízos prévios.

“A investigação, acusação e punição de crimes em situação alguma podem se confundir com uma cruzada moral ou se transformar num instrumento de perseguição.”

A parte final da carta trata da liberdade de imprensa e defende a divulgação do conteúdo das mensagens pelo Intercept Brasil e outros veículos.

Para a Procuradoria, a ilegalidade na obtenção das mensagens “não obstrui o direito de publicação”. “Eventual responsabilidade pela invasão indevida de privacidade deve ser investigada de modo autônomo e, se comprovada, sancionada, sem, contudo, interferir na liberdade de publicação.”

O órgão da PGR diz ainda que o governo deve informar se há alguma investigação em face de jornalistas ou meios de comunicação que estejam envolvidos com a publicação. Represálias contra os veículos, diz a nota, “podem, inclusive, ser consideradas crime de responsabilidade e improbidade administrativa”.

Novas mensagens revelam que Deltan pediu que Moro tirasse dinheiro da Justiça Federal para campanha publicitária

O programa da ‘O É da Coisa’, BandNews, do jornalista Reinaldo Azevedo, apresentou trecho de conversa de Deltan com Moro de 2016 a respeito de um vídeo para a Campanha de “Dez Medidas de Combate à Corrupção”, bandeira da equipe da Lava Jato naquela época.

Também durante o programa, jornalista revelou que Moro articulou reunião com procurador e PF para traçar rumos da Lava Jato. A conduta é vedada porque coloca o juiz em favor da acusação.

Na conversa, Deltan pede que a Justiça Federal ajude com os custos de produção de um vídeo da campanha que seria veiculado na TV.

“Vc acha que seria possível a destinação de valores da Vara, daqueles mais antigos, se estiverem disponíveis, para um video contra a corrupção, pelas 10 medidas, que será veiculado na globo?? A produtora está cobrando apenas custos de terceiros, o que daria uns 38 mil.”

LEIA TAMBÉM: Raquel Dodge convoca Deltan para reunião em meio a vazamento de mensagens

O procurador diz que, caso o juiz ache “ruim em algum aspecto”, haveria alternativas, como crowdfunding. Deltan também envia um roteiro e o orçamento. A peça mostraria remédios e materiais escolares sumindo, em alusão aos efeitos da corrupção.

“Avalie de modo absolutamente livre e se achar que pode de qq modo arranhar a imagem da LJ de alguma forma, nem nós queremos”, continua o procurador.

Moro, de acordo com a reportagem, responde: “Se for so uns 38 mil achi [acho] que é possível. Deixe ver na terça e te respondo.”

O diálogo não aponta se os recursos foram liberados ou não.

Raquel Dodge convoca Deltan para reunião em meio a vazamento de mensagens

 

A Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, vai receber amanhã para uma “reunião institucional”, o procurador e coordenador da Força-Tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol.

Além dele, todos os membros da operação participarão do encontro, que ainda não tem horário definido.

A reunião vem dois dias depois de uma reportagem da Folha mostrar que Deltan utilizou seu prestígio perante a opinião pública, decorrente de sua atuação na Operação Lava Jato, para especular sobre a criação de uma empresa que visava lucrar com palestras e congressos.

“Vamos organizar congressos e eventos e lucrar, ok? É um bom jeito de aproveitar nosso networking e visibilidade”, disse Deltan em mensagem à sua esposa, de acordo com o texto.

LEIA TAMBÉM: Como a Lava Jato julgaria plano de Deltan para lucrar com a própria Lava Jato 

Site divulga que PF estaria preparando, na ausência de Moro, ação contra hacker ligado a vazamentos

Nos diálogos, o também procurador da Lava Jato Roberson Pozzobon se mostra entusiasta da ideia. Por lei, servidores públicos da União não podem participar de qualquer atividade que envolva a gerência de uma empresa privada.

Os procuradores, segundo as mensagens, cogitaram contornar essa norma, atribuindo às suas respectivas esposas a administração de uma hipotética empresa.

Além da constituição da empresa — que não foi consumada — as mensagens apontam que Deltan utilizava duas funcionárias do Ministério Público Federal para tratar de assuntos pessoais referentes às palestras realizadas pelo procurador.

Site divulga que PF estaria preparando, na ausência de Moro, ação contra hacker ligado a vazamentos

O site The Intercept Brasil publicou nesta segunda-feira (15) uma longa reportagem sobre a autenticidade do material que é base para reportagens sobre como a Lava Jato funcionava em chats privados do Telegram.

À dada altura, a matéria destaca:

Apesar da abundância de provas da autenticidade do material, publicadas pelos diferentes veículos, diversas fontes disseram ao Intercept ao longo dos últimos dias que a Polícia Federal, durante o afastamento do ministro Sergio Moro, está considerando realizar essa semana uma operação que teria como alvo um suposto “hacker”, que supostamente seria a fonte do arquivo. Esse suposto hacker seria estimulado a “confessar” ter enviado o material ao Intercept e que esse material teria sido adulterado.

Ministro da Justiça, Sérgio Moro saiu em férias para os Estados Unidos e deverá ficar afastado até a sexta (19).

Leia também:

[OPINIÃO] The Intercept Brasil perde ao focar apenas em Moro e ter atuação com forte viés ideológico

Caem os segredos da República de Curitiba: reportagem expõe colaboração proibida entre Moro e procuradores da Lava Jato

Afiliada do SBT, TV Ponta Negra toma repórter Ediana Miralha da Intertv, da Globo

A TV Ponta Negra, afiliada ao SBT no Rio Grande do Norte, anunciou nesta segunda-feira (15), a contratação da jornalista Ediana Miralha.

A paraense que conquistou os potiguares, com seu jeito diferenciado de fazer reportagens, passa a integrar a equipe do programa “Patrulha da Cidade”, campeão de audiência na hora do almoço.

Ediana Miralha recebeu, neste ano, o título de cidadã natalense por desenvolver um trabalho com as comunidades, dando voz à população junto ao poder público e ajudando na solução dos problemas.

“Aqui na TV Ponta Negra, além de fazer o jornalismo comunitário, que é uma marca da emissora, Ediana vai usar a irreverência e o humor para mostrar os personagens e histórias do nosso estado, sendo responsável pelos quadros e reportagens especiais do Patrulha”, antecipa a gerente de jornalismo, Angélica Hipólito.

Além da reportagem, Ediana vai apresentar o telejornal noturno da TV Ponta Negra, o Jornal do Estado, que vai passar por uma reformulação na linguagem, ficando mais informal e ainda mais perto das pessoas.

“Ediana tem a cara da TV Ponta Negra. É criativa, ousada, sabe inovar e não tem vergonha de ser popular”, afirmou Rafael Cruz, gerente de programação da TV Ponta Negra, que anuncia a estreia da jornalista para o mês de agosto.

[VÍDEO] Fenda se abre no viaduto de Igapó, expõe estrutura interna e preocupa por riscos

Uma fenda se abriu no viaduto do Complexo Viário Ulisses de Góis, na Zona Norte de Natal, e tem despertado atenção e temor por parte de quem transita na região.

As imagens são do Via Certa Natal, que confirmou ao Blog do Dina a autenticidade do conteúdo, informando se tratar de material feito recentemente.

O equipamento, conhecido como viaduto de Igapó, foi entregue em dezembro de 2002. Construído pelo órgão de infraestrutura estadual de trânsito, o DER, hoje é de responsabilidade do ente correspondente federal, o DNIT.

Nas imagens é possível ver as ferragens que dão estrutura interna ao equipamento expostas, enquanto o tráfego de veículos opera normalmente.

Três deputados potiguares pró-reforma da previdência conseguiram R$ 17 milhões do governo Bolsonaro às vésperas da votação

Nos dias que antecederam a votação da reforma da previdência e ao durante as tratativas para o governo conseguir votos para o projeto, três deputados do RN que votaram a favor da proposta, Fábio Faria, Beto Rosado e Walter Alves, tiveram quase R$ 17 milhões em emendas empenhadas.

Empenho é a fase inicial da despesa, quando o governo inscreve um gasto a ser realizado. O levantamento foi feito no portal da transparência do governo federal.

Fábio Faria conseguiu empenho de R$ 7,2 milhões. Walter Alves teve R$ 5,8 milhões de emendas empenhadas e Beto Rosado conseguiu R$ 3,7 milhões. Os recursos dos três deputados foram destinados predominantemente para saúde ou estadual ou de municípios do Rio Grande do Norte.

Também votaram a favor da reforma da previdência João Maia e Benes Leocádio, mas eles não eram deputados no ano passado, quando o orçamento público federal, onde as emendas são apresentadas, foi elaborado.

Curiosamente, João Maia aparece como vinculado a cinco emendas em 2019. Nenhuma delas teve liberação de recursos.

Rafael Motta, no mesmo período de junho a 5 de julho, teve R$ 5,4 milhões em empenhos de emendas. Ele foi contra a reforma da previdência e corre o risco de ver os colegas que votaram a favor terem o dinheiro liberado primeiro.

Importante ressaltar que os valores destacados nesta matéria não se referem às emendas liberadas na semana da votação, mas ao período entre a segunda quinzena de junho e 5 de julho.

Entre 8 e 12 de julho, semana da votação da reforma, o governo federal publicou uma série de portarias liberando mais emendas parlamentares. Esses dados, publicados no Diário Oficial da União, ainda não foram lançados no portal da transparência

Governadores do Nordeste articulam para o Senado incluir estados na reforma da previdência

Vai bem articulado o jogo duplo que governadores do Nordeste patrocinam sobre a reforma da previdência.

Em público são contra, em privado são a favor.

Já na reta final da votação na Câmara, Camilo Santana (Ceará), Rui Costa (Bahia) e Wellington Dias (Piauí) se engajaram na busca por apoio.

O petista Welligton Dias, aliás, decidiu sair das coxias e assumir de vez o que realmente pensa. E está agora publicamente pregando a inclusão dos estados.

A situação é politicamente muito confortável se conseguiram passar no Senado esse plano.

Vejam só: os governadores passaram a se integrar em busca de apoios especialmente na votação de destaques.

Enquanto parlamentares sangraram no apoio ao texto-base, com os governadores sendo contra, na votação dos destaques, que tinha ganho político, eles se integraram ao tema.