WhatsApp vai permitir enviar e receber dinheiro pelo aplicativo

O WhatsApp anunciou nesta segunda-feira (15) que o Brasil será o primeiro país a receber uma atualização do aplicativo que vai permitir que usuários enviem e recebam dinheiro, usando cartões cadastrados. A novidade também vai permitir que contas do WhatsApp Business recebam pagamentos por produtos e serviços.

A função chega ao Brasil, primeiro país a receber a novidade, já nas próximas semanas, de acordo com o WhatsApp. Será preciso cadastrar um cartão com a função débito para fazer as transferências.

Os pagamentos acontecem dentro de uma função chamada Facebook Pay. Em nota, o WhatsApp afirma que o recurso tem esse nome para que, no futuro, os mesmos dados de cartão possam ser utilizados em toda a família de aplicativos da empresa — sinalizando que o Facebook, dono também do Instagram, planeja expandir funções de pagamento para outros apps.

O WhatsApp não é o primeiro a expandir um aplicativo de mensagens em sistema de transferências eletrônicas. Na China, o WeChat foi responsável por uma revolução na maneira de pagar no país e atualmente é também rede social e uma plataforma de vendas.

Como vai funcionar?

Para que usuários possam enviar e receber dinheiro pelo WhatsApp será preciso cadastrar um cartão na função Facebook Pay. Veja como vai funcionar:

  • Haverá uma função, no mesmo menu do envio de imagens, chamada “Pagamento”;
  • Quando o usuário clicar nela, o aplicativo vai pedir um valor e redirecionar para a criação de uma conta;
  • Será preciso aceitar os termos de uso da plataforma e criar uma senha número de 6 dígitos;
  • Depois, o usuário vai precisar incluir nome, CPF e um cartão emitido por um dos bancos participantes;
  • Será preciso verificar o cartão junto ao banco, recebendo um código por SMS, e-mail ou aplicativo do banco.
  • De acordo com o WhatsApp, será preciso incluir a senha (ou reconhecimento biométrico do celular) toda vez que o usuário for enviar dinheiro. As informações de cartão também são encriptadas.

Quem vai poder usar?

Inicialmente será possível usar cartões de débito, ou que têm função de débito e de crédito, Visa e Mastercard dos bancos Nubank, Sicredi e Banco do Brasil. A transferência vai ser intermediada pela Cielo e será sem taxas para os usuários. Segundo o WhatsApp, o modelo, no entanto, é aberto e está disponível para receber outros parceiros no futuro.

As transações só podem ser feitas em real e dentro do Brasil. Há um limite de R$ 1 mil por transação e R$ 5 mil por mês. Será possível fazer até 20 transações por dia.

Para as contas comerciais, usando o WhatsApp Business, será preciso ter uma conta Cielo para solicitar e receber pagamentos ilimitados, tanto de crédito quanto de débito, oferecer reembolsos e ter suporte técnico. Os comerciantes, diferentemente dos usuários, pagam uma taxa fixa de 3,99% por transação.

“Pequenas empresas são fundamentais para o país. A capacidade de realizar vendas com facilidade no WhatsApp ajudará os empresários a se adaptarem à economia digital, além de apoiar o crescimento e a recuperação financeira”, disse Matt Idema, diretor de operações do WhatsApp em nota.

G1

Dinheiro de megaleilão de petróleo faz Fátima esperar de madrugada por Rodrigo Maia

Uma romaria de governadores ao longo da madrugada reflete bem a ansiedade de chefes do executivo por dinheiro.

Eles querem definir com Rodrigo Maia, presidente da Câmara, o acordo final previsto, que é apoiar integralmente as mudanças na previdência em troca de recursos para os estados do megaleilão de petróleo previsto para logo mais.

Em agenda na capital paulista na segunda, Maia chegaria a Brasília somente à meia-noite.

Na residência oficial, o governador da Paraíba, João Azevêdo (PSB), foi o primeiro a chegar, às 22h50.

Na sequência, surgiram Wellington Dias (PT-PI), Fátima Bezerra (PT-RN) e Waldez Góes (PDT-AP) para ficar na sala de espera aguardando o presidente da Câmara.

Os valores encontrados nas contas de José Agripino

A Justiça Federal decretou a indisponibilidade de bens a do ex-senador José Agripino Maia, além de Raimundo Alves Maia Júnior (conhecido como Júnior Maia) e de Victor Neves Wanderley (conhecido como Victor Souza).

Os três respondem à ação de improbidade e à denúncia por desvio de aproximadamente R$ 600 mil de recursos federais, por meio de um esquema de nomeação de “funcionário fantasma”.

A decisão é de 23 de agosto.

Nesse diz, a ordem foi que fossem bloqueadas as contas até que se somassem os valores de R$ 590.633,43 para ressarcir o erário.

Sete dias depois, o resultado foi o seguinte:

Foram encontrados: R$ 75.527,24 de titularidade do réu José Agripino Maia, sendo R$ 74.452,28 de valores depositados no Banco do Brasil; R$ 1.047,42, no Banco Bradesco; R$ 14,57, no Banco Santander; e R$ 12,97, na Caixa Econômica Federal;

b) R$ 2.094,31 de titularidade do requerido Victor Neves Wanderley, sendo R$ 1.626,06 depositados no Banco do Brasil e R$ 468,25, na Caixa Econômica Federal; e

c) R$ 3.463,61 de titularidade do réu Raimundo Alves Maia Júnior, sendo R$ 3.256,37 depositados no Banco do Brasil e R$ 207,24, no Itaú Unibanco.

Longe de chegar aos quase R$ 590 mil, os réus pediram desbloqueio de parte dos valores porque aí estão incluídos salários. E ficou assim:

José Agripino Maia teve desbloqueador R$ 22.342,40 e R$ 1.095,00.

Victor Neves Wanderley e Raimundo Alves Maia Júnior também impugnaram parcialmente o bloqueio, requerendo o levantamento, respectivamente, de R$ 1.626,06, e R$ 3.256,37, igualmente alegando sua natureza salarial.

O que significa para o RN o governo sinalizar incerteza sobre o pagamento em dia da Arena das Dunas

A governadora Fátima Bezerra, como sabem todos, pretende antecipar os royalties pela exploração da atividade do petróleo a que o Rio Grande do Norte tem direito.

Basicamente consiste em fazer com que a Petrobras pague logo tudo que iria pagar nos próximos anos.

E o que isso tem a ver com a Arena das Dunas, meu senhor?

É com esse dinheiro que vem sendo paga a parcela de mais de R$ 10 milhões ao estádio.

O governo diz que confia no acréscimo de receita para pagar a Arena a partir de outras fontes que não os roayties.

Disse isso na reunião com os 24 deputados nessa quarta-feira (30).

Sem entrar no mérito do que acho desse contrato, vamos a uma questão maior:  quem vai se dispor a fazer parceria público-privada com  Rio Grande do Norte se ele der calote na PPP mais evidente que tem?

Eu não me disporia.

Os potiguares que estão ganhando até R$ 1.500 por semana para agenciar novos jogadores para o pôker

Desde que foi considerado como um esporte mental pela Federação Internacional dos Esportes da Mente em 2010, o poker tem apresentado um crescimento gigantesco no Brasil. Segundo dados da Confederação Brasileira de Texas Hold’em (CBTH), cerca de um milhão de novos jogadores passam a praticar o poker no país todos os anos.

Devido a todo esse crescimento, o poker se tornou rapidamente o esporte individual mais rico do Brasil e os potiguares estão sabendo aproveitar este momento.

De acordo com Kenedy Lima, um dos executivos do poker online no Rio Grande do Norte, atualmente existem cerca de dez clubes de poker virtual no Estado, alguns deles chegam a movimentar mais de R$ 250 mil por mês somente com premiações.

“Essa quantia vem das entradas dos jogadores nos torneios diários. Uma parte dela é destinada para a premiação e a outra para manutenção do clube, como pagamento dos agentes, do aplicativo PPPoker, entre outros gastos fixos”, explica Kenedy.

É na função de agente que muitos potiguares estão faturando alto no poker online. Eles têm a função de promover os clubes, atrair novos jogadores e vender as fichas para os torneios. Na Liga Nordeste Poker, que é o maior clube de poker online do RN, os agentes chegam a ganhar entre R$ 300 e R$ 1.500 por semana.

“Este valor depende muito do desempenho do agente. Por ser uma profissão de ganhos comissionados, os valores variam de acordo com a rede de jogadores ligados ao agente, podendo esse representar uma ótima renda extra e, em alguns casos, até uma renda principal”, acrescenta Kenedy.

Não há uma estimativa de quantos agentes de poker existem no Estado, mas este número é crescente, uma vez que os clubes estão sempre abrindo vagas para novos integrantes, e isto tem resultado no crescimento meteórico do mercado do poker, e consequentemente do faturamento.

Por que a Arena das Dunas é uma das únicas que recebe em dia do Estado e como a revisão de contratos a atinge

Entre os grandes fornecedores do Rio Grande do Norte, frequentemente, quando consultada a lista de empenhos e pagamentos, há uma grande relação daqueles inscritos em ‘restos a pagar’.

Não é o caso do estádio Arena das Dunas.

O monumento no coração de Lagoa Nova recebeu em 2018 R$ 121.808.315,71.

E em restos a pagar?

Não é devido nenhum centavo à OAS, dona do equipamento feito em parceria-público privada com o Estado, que repassou mais de R$ 10 milhões à empresa a cada mês de 2018.

Os termos são regidos por lei federal.

Um calote na Arena das Dunas seria uma mensagem péssima ao investidor.

Pagar em dia à Arena, de mais a mais, significa garantir o patrimônio que foi oferecido no fundo garantidor da operação que viabilizou a construção da obra.

Mas o decreto de revisão de contratos abre a possibilidade de renegociar o pagamento da dívida, estendendo os prazos, que originalmente estão fixados em 20 anos.

Quando dizem que o RN tem orçamento de ficção é por isso: frustração de receita do governo Robinson foi de R$ 5 bilhões

O governo Robinson terminará em quatro dias com uma frustração de receita bilionária.

A diferença entre o que era previsto arrecadar nos quatros anos de gestão e o que efetivamente foi arrecadado é de R$ 5.074.793.198,41

Por extenso, senhores, cinco bilhões, setenta e quatro milhões, setecentos e noventa e três mil, cento e noventa e oito reais e quarenta e um centavos.

O valor está bem acima dos rombos financeiros que Fátima Bezerra herdará, estimados em R$ 3 bilhões.

Receitas de capital praticamente concentram a frustração.

São nessa rubrica que são catalogados os recursos previstos para investimentos através de operações de crédito (empréstimos). Em 2018, para se ter ideia, a previsão era de R$ 1,1 bilhão, mas só R$ 285 milhões se concretizaram.

A diferença é produto da ficção orçamentária. Entre e sai ano e o Rio Grande do Norte trabalha com um orçamento incompatível com suas receitas arrecadadas.