Após fustigar jornal, Bolsonaro se reúne em café da manhã com a Folha um dia após pesquisa contrária a ele

Dentre os inimigos imaginários de Bolsonaro, a imprensa é um dos piores.

Na imprensa, a pior é a Folha, constantemente alvo de ataques do presidente.

O jornal divulgou de domingo para cá, resultados do Datafolha francamente desfavoráveis ao presidente. 

Mas nesta terça-feira (3), Bolsonaro concedeu entrevista exclusiva ao jornal por uma hora e meia.

Acompanhado do presidente estava o chefe da Secom (Secretaria de Comunicação) da Presidência, Fábio Wajngarten, que, na segunda, estava dizendo no Twitter que é inadmissível um veículo de imprensa ter instituto de pesquisa.

Algo mudou.

A Folha divulgou em seu site que houve a entrevista, mas não acrescentou se ela já estava marcada ou se foi desdobramento recente.

Onde os fracos não têm vez

O secretário de Planejamento, Aldemir Freire, me explicou nessa terça-feira que, ao longo de todo o ano de 2020, a despesa com pessoal não pode crescer para além de R$ 300 milhões.

E ilustrou. Se a folha de pessoal de 2019 terminar em R$ 7,6 bilhões, a de 2020 não poderá passar de R$ 7,9 bilhões.

É dentro desses R$ 300 milhões que serão arbitrados todos os conflitos por aumentos salariais, contratação de novos servidores e qualquer outra despesa ligada a aumento da folha.

A prevalecer a regra do forte sobre o fraco, já dá para imaginar que categorias deverão avançar mais sobre os R$ 300 milhões.

Folha publica obituário de Chico Inácio, a voz ‘punk’ do esporte em Natal

CMN publica nova estrutura e divulga número de cargos comissionados e tamanho da folha mensal

A Câmara Municipal de Natal publicou, através da Lei nº 6.868, sua nova estrutura organizacional.

As informações estão no Diário Oficial do Município.

De acordo com a estrutura, são 491 cargos que terão impacto mensal de R$ 1.587.400,00, sem considerar encargos trabalhistas e eventuais benefícios a que venham a ter direito os servidores.

O maior parte do quantitativo se refere aos 29 gabinetes, que concentram 377 dos 491 postos e somam R$ 1,1 milhão do valor global da folha.

As nomeações dos gabinetes também foram publicadas no Diário Oficial do Município.

A nova estrutura com cargos e vencimentos pode ser consultada aqui.

A Ombudsman da Folha deu um tapa no jornal e bofetadas em Bolsonaro e nos filhos neste domingo

Segue trecho da coluna de Paula Cesarino Costa, ombudsman da Folha de S.Paulo.

Neste domingo (30), ela criticou o fato de o jornal ter adotado ao longo da transição coberturas baseadas no off, que acabaram desmentidas por Bolsonaro. Para ela, é muito arriscado pois o leitor fica, em algumas situações, sem saber quem está falando a verdade.

Na sequência, no entanto, ela faz a seguinte reflexão:

Bolsonaro, quando acuado, tem como padrão de resposta atacar seus acusadores sem se importar com a verdade factual. Foi assim nos casos da funcionária-fantasma no gabinete, do apoio empresarial ilegal para disparo em massa de mensagens de WhatsApp e agora no de ex-funcionário do filho que depositou cheque para a primeira-dama, numa investigação que tem como linha principal, até o momento, a possível cobrança de pedágio de funcionários de ao menos um gabinete de parlamentar da família Bolsonaro.

Os filhos seguem a linha do pai, ou seja, ameaçam jornalistas, convocam levantes contra a imprensa, desfiam teorias conspiratórias criativas sem calço na realidade. Todos, nos momentos de maior questionamento, replicam uma pergunta nas redes sociais: “Quem mandou matar Bolsonaro?”.

É inegável que a facada que o então candidato presidencial tomou em Juiz de Fora, que a polícia atribui até agora a uma ação isolada de um descontrolado, é notícia relevante e esforços devem ser empreendidos pelo jornal na busca de respostas definitivas. No entanto, os Bolsonaros relembram o tema sempre que necessitam de uma cortina de fumaça para que fujam de dar explicações necessárias sobre seus atos, dos temas mais graves aos mais comezinhos.

Nada será como antes após o ciclo que se inicia com a posse do novo governo em 1º de janeiro. Se para melhor ou pior, não vale a pena arriscar, mas os prognósticos até aqui são preocupantes.

Coisas estranhas aconteceram no depoimento de João de Deus, como um teclado que ganhou vida própria

Na Folha

O depoimento de João de Deus, 76, na noite deste domingo (16), em Goiânia, teve uma sequência de imprevistos que deixou os investigadores desconfiados.

Na hora de o médium falar, segundo os presentes, o computador usado para registrar as alegações do preso parecia ter vida própria. “Você apertava uma tecla e ela OOOOOOOOO…”, descreveu a delegada Karla Fernandes, coordenadora da força-tarefa responsável pelo caso na Polícia Civil.

Estava calor, e a própria delegada resolveu usar uma extensão para ligar o ar-condicionado. Segundo relata a investigadora, o fio explodiu e, de quebra, queimou o frigobar. “Todo mundo gritou dentro da sala.”

O depoimento foi transferido para Goiânia. Foi possível domar o teclado, todos se recuperaram do susto e o interrogatório fluiu por mais de duas horas. 

Para a delegada, os episódios podem não ser só obra do acaso. “Estamos diante de uma situação que envolve crenças e energias.”

Questionada se estava com medo, disse: “Não, mas tenho respeito, até porque sou espiritualista”. Ela classifica João de Deus como um homem que tem, de fato, “um poder”. “Mas houve um desvio no meio do caminho”, disse a delegada.