Ação judicial exige que Gaviões da Fiel se retrate por triunfo de Satanás sobre Jesus

A Gaviões da Fiel está sendo processada por seu último desfile no carnaval de São Paulo, informa Fausto Macedo, no Estadão.

O advogado Carlos Alexandre Klomfahs alega que a escola ‘desrespeitou o símbolo e a religião cristã’ ao apresentar em sua comissão de frente uma disputa entre duas figuras religiosas, Jesus e o diabo, na qual, aparentemente a figura cristã é vencida pela representação maléfica.

Se Cristo não nasceu em 25 de dezembro, por que comemoramos o Natal nesta data?

 

Tem a ver com o calendário instituído pela Igreja. O Conselho de Niceia, por exemplo, lá pelos idos de 300 depois de Cristo, foi o que veio corrigir e admitir a importância de Jesus, até então tratado por Roma como um indigno.

A primeira vez que a data foi comemorada foi no ano 354, mas a referência era à festa pagã Natalis Solis Invicti (nascimento do sol invencível, em tradução livre).

O sol invencível, com o tempo, passou à imagem de Jesus, o que poeticamente faz todo o sentido.

Como a festa acontece na solstício, que marca a virada de estação, Natal e verão tem tudo a ver.

Mas afinal, quando Cristo nasceu?

“Entre os estudiosos do Novo Testamento e das origens do cristianismo, é consenso que ele não nasceu em 25 de dezembro”, explicou à Superinteressante o cientista da religião Carlos Caldas, da Universidade Mackenzie, em São Paulo.

Na Bíblia, o evangelista Lucas afirma que Jesus nasceu na época de um grande recenseamento, que obrigava as pessoas a saírem do campo e irem às cidades se alistar.

Só que, em dezembro, os invernos na região de Israel são rigorosos, impedindo um grande deslocamento de pessoas. “Também por causa do frio, não dá para imaginar um menino nascendo numa estrebaria. Mesmo lá dentro, o frio seria insuportável em dezembro”, diz Caldas.

O mais provável é que o nascimento tenha ocorrido entre março e novembro, quando o clima no Oriente Médio é mais ameno.

Você só precisar seguir seu exemplo, mas lamentamos informar que a aparência de Jesus é esta aqui e não a que você imagina quando pensa nele

A BBC Brasil resgatou neste Natal um texto de março deste ano, atual e muito útil sobre como de fato poderia ter sido Jesu.

O Jesus histórico, apontam especialistas, muito provavelmente era moreno, baixinho e mantinha os cabelos aparados, como os outros judeus de sua época.

A dificuldade para se saber como era a aparência de Jesus vem da própria base do cristianismo: a Bíblia, conjunto de livros sagrados cujo Novo Testamento narra a vida de Jesus – e os primeiros desdobramentos de sua doutrina – não faz qualquer menção que indique como era sua aparência.

“Nos evangelhos ele não é descrito fisicamente. Nem se era alto ou baixo, bem-apessoado ou forte. A única coisa que se diz é sua idade aproximada, cerca de 30 anos”, comenta a historiadora neozelandesa Joan E.

Taylor, autora do recém-lançado livro What Did Jesus Look Like? e professora do Departamento de Teologia e Estudos Religiosos do King’s College de Londres.

Em 2001, para um documentário produzido pela BBC, o especialista forense em reconstruções faciais britânico Richard Neave utilizou conhecimentos científicos para chegar a uma imagem que pode ser considerada próxima da realidade.

A partir de três crânios do século 1, de antigos habitantes da mesma região onde Jesus teria vivido, ele e sua equipe recriaram, utilizando modelagem 3D, como seria um rosto típico que pode muito bem ter sido o de Jesus.

‘Estão zombando do momento mais doloroso da minha vida’, lamenta Damares Alves

No Gospel Prime

A futura ministra das Mulheres, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, lamentou a postura da imprensa brasileira diante de seu depoimento sobre os abusos sexuais sofridos na infância.

Dos 6 aos 8 anos de idade foi abusada e, apesar de sinalizar a situação à família, ninguém percebeu. “A família não viu, a igreja não viu. O meu ambiente de proteção era a igreja e a família”, relatou.

Depois disso, ela disse que se fechou, passou a ser uma menina triste. Anos depois, pensou em suicídio. Em entrevista à Revista Crusoé, contou que subiu num pé de goiaba e que levou veneno com ela, pensando em tirar a própria vida.

Por dizer que, naquela goiabeira teve uma visão de Jesus, que a convenceu a não cometer aquele ato, passou a ser ridicularizada pela mídia e nas redes sociais. A pastora lamenta que jornalistas estejam zombando de sua história.

“A imprensa está zombando do momento mais doloroso da minha vida. Mas que zombe, que fale, a fé me salvou naquele pé de goiaba. Vou deixar todo mundo falar sobre isso. Eu vou até pedir que mais memes sejam criados”, enfatizou.

Apesar da intensa repercussão, a advogada não parece se deixar afetar pelos comentários maldosos. “Que aquela mulher lá do interior escute que uma ministra sobreviveu à pedofilia e que a gente pode sobreviver”, disse.

“Se toda essa história alcançar uma única menina, já valeu muito a pena. Então foi para isso que eu nasci. Para chegar a ser ministra e salvar uma vida. É isso. Me desculpe toda a emoção. Quero que vocês falem mesmo”, concluiu.