Ministério da Saúde diz que mortes por Covid-19 chegaram a ‘platô’, mas aumento de casos preocupa

O Ministério da Saúde acredita que o Brasil atingiu o platô no número de mortes por Covid-19. No entanto, afirma estar preocupado com o aumento no número de casos da doença no período entre 14 e 27 de junho. O período registrou 14.350 óbitos.

— O número de óbitos, que é a fase mais triste dessa doença, tem se mantido relativamente em um platô. Embora elevado, mas em platô — declarou Arnaldo Correia de Medeiros, secretário de Vigilância em Saúde.

Segundo os dados do Ministério da Saúde, na última semana epidemiológica (21 a 27 de junho), houve uma redução de 2% no número de mortes em relação à semana anterior.

Apesar disso, Medeiros disse estar preocupado com o aumento no número de novos casos da doença no Brasil nas duas últimas semanas epidemiológicas. Segundo os dados do Ministério da Saúde, todas as regiões registraram aumento no período. As situações que, segundo o governo, inspiram mais cuidado são as regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul.

Da 23ª semana epidemiológica para a 24ª, por exemplo, o crescimento no número de novos casos foi de 2%. Na seguinte, o crescimento foi de 22%. Na última, foi de 13%.

Com informações de O GLOBO

A morte de CNPJs no Midway Mall: como o fim de negócios no maior shopping de Natal reflete a crise no setor

Quando as portas automáticas do maior shopping de Natal voltarem a se abrir, a dificuldade do setor, já amplamente verificada, estará ainda em curva de ascenção da crise econômica.

Em tempos normais, 30% do faturamento das lojas cobrem as despesas com aluguel, condomínio e cota de promoção. Quando se inclui pessoal, há variações para mais em alguns casos.

“Mas quando retomarmos, projetamos, pelo que temos acompanhado, que nossas operações vão ter faturamento exatamente nesse patamar. Ou seja, muitos, que já estão no prejuízo, verão os danos serem agravados quando voltarmos”, avaliou ao Blog do Dina o presidente da Associação de Lojistas do Midway Mall, Derneval Júnior.

A associação congrega 114 lojas e não inclui as grandes redes. É formada predominantemente por empresários locais. Derneval tem dado preliminar apontando que pelo menos 14 lojas já fecharam as portas durante a pandemia e não devem abrir quando o setor for autorizado a operar.

O cenário que se avizinha é de mais portas fechadas. Além dos custos acima, lojistas já somam quatro meses de estoques vencidos. A isso se somam os contratos de trabalho que vêm sendo honrados. A dificuldade para acessar crédito é agravante.

“O fluxo de caixa dos micros e pequenos foi fortemente atingido. É esse fluxo que faz o negócio girar. Eles, que são boa parte dos lojistas, já estão muito prejudicados”, avalia Júnior, que é proprietários da lojas Bagagerie e Le Postiche.

A situação só não é pior porque o Midway Mall, explicou Júnior, abriu mão de custos como aluguel da loja.

Setor

Situação no Praia Shopping é ainda pior

O cenário do Midway Mall se replica com mais ou menos intensidade em outros shoppings da cidade. Ao Blog do Dina, Derneval, que também participa da associação do Praia Shopping, comentou que por lá a situação já era ruim antes da pandemia, com lojas já fechadas.

A reportagem também apurou que no Natal Shopping, pelo menos 12 lojas não voltam quando o mall reabrir.

Para se ter ideia da magnitude da crise, ao final de abril, com 45 dias de pandemia, a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping divulgou que as perdas já somavam R$ 20 bilhões sobre 10 mil estabelecimentos espalhados pelos 577 shoppings do Brasil. Àquela data, 80 mil empregos tinham sido comprometidos.

Marketplace

Uma cartilha do setor produtivo potiguar orienta que os negócios, sejam quais forem, devem daqui em diante considerar como plano A a presença digital.

Apesar disso, o marketplace ainda é tímido.

No Midway Mall, mesmo as lojas que cresceram 100% no marketplace, veem esses números se refletirem timidamente no faturamento geral.

“Uma loja cuja operação digital duplicou, quando você olha para o que essa operação digital representa, não supre, porque o virtual, mesmo com o crescimento, representa 20% do faturamento total”, explicou Derneval.

Foto destaque: Júlio Pinheiro, Tribuna do Norte

Número de mortes por Covid-19 cresceu 306,7% em um mês em Natal

O número de mortes causada pela Covid-19 cresceu 306,7% no período de um mês em Natal. Nessa quinta-feira (18), os óbitos pela doença na capital potiguar eram 240. Já em 18 de maio, eram 59 falecimentos.

No mesmo período, o número de casos confirmados saltou de 2.949 para 5.938, um aumento de 101,3% em um mês.

A zona Norte é responsável por, pelo menos, um terço das mortes confirmadas e um quarto dos casos confirmados da doença na capital potiguar.

Os dados são do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Lais/UFRN).

Covid-19: Brasil tem 43,3 mil mortes e quase 870 mil casos

O Brasil acumula 43.396 mortes por coronavírus desde o início da pandemia. Além disso, são 869.956 casos confirmados da doença.

Os números foram levantados pelo consórcio formado por veículos de imprensa e atualizados às 8 horas desta segunda-feira (15).

No boletim divulgado na noite de domingo (14), às 20 horas, o consórcio apurou que o país tinha 43.389 óbitos – sendo 598 nas 24 horas anteriores – e 867.882 casos confirmados.

Brasil tem mais 1,2 mil mortes e 32 mil casos confirmados de Covid-19

Balanço do Ministério da Saúde divulgado nessa terça-feira (9) aponta 1.272 novas mortes e 32.091 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas.

Com esses acréscimos às estatísticas, o país chegou a 38.406 óbitos em função da pandemia do novo coronavírus e 739.503 pessoas infectadas.

De acordo com o Ministério da Saúde, 311.064 pacientes foram recuperados e 390.033 estão em acompanhamento.

Rodrigo Maia diz que ministério ‘brinca com a morte’ e ‘tortura números’ da Covid-19

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), utilizou as redes sociais para criticar atos do Ministério da Saúde no enfrentamento à pandemia de coronavírus.

“Brincar com a morte é perverso. Ao alterar os números, o Ministério da Saúde tapa o sol com a peneira. É urgente resgatar a credibilidade das estatísticas. Um ministério que tortura números cria um mundo paralelo para não enfrentar a realidade dos fatos”, escreveu Maia.

Nesse domingo (7), o Ministério da Saúde divulgou dois dados divergentes sobre a doença no país. Na semana passada, o governo federal ainda ameaçou sonegar os dados.

RN tem 430 mortes por Covid-19, aponta Ministério da Saúde

No balanço divulgado na noite desse domingo (7), o Ministério da Saúde indicou que o Rio Grande do Norte tem 430 mortes em decorrência da Covid-19. O número apresenta um aumento de 20 óbitos em relação ao boletim mais recente publicado pela Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap).

Ainda de acordo com os números do Ministério, o RN tem 9.333 casos confirmados. No entanto, o número tem distorção em relação ao apresentado pelo boletim de 6 de junho da Sesap, que trouxe a confirmação de 9.449 casos no estado.

Nesse domingo (7), a secretaria estadual não apresentou um boletim como sempre é feito, mesmo sem a realização de entrevista coletiva, que sempre ocorre de segunda a sábado, no início da tarde.

Na contramão da quarentena, Brasil tem explosão de mortes por Covid-19

Mesmo sem conseguir reduzir o número de mortes diárias por Covid-19, o Brasil começou a experimentar um enfraquecimento do isolamento social. Entre os dez países com mais óbitos no mundo, apenas Brasil e México adotaram esse procedimento.

Com mais de mil mortes em cada um dos últimos quatro dias, o país tem visto o número de vítimas fatais bater recordes. Na quinta-feira (4), quando registrou 1.473 óbitos, o Brasil teve 28% das mortes por Covid-19 naquele dia.

Mesmo assim, governadores e prefeitos estão decidindo afrouxar as medidas de isolamento social. No âmbito federal, o presidente Bolsonaro se mostrou contrário às medidas desde o início da pandemia.

Além disso, dados indicam que a queda na movimentação no Brasil foi menos intensa do que em cinco países entre os dez com mais óbitos. No patamar brasileiro mais baixo, o índice foi de 35%.

Na Espanha e na Itália, os números ficaram em 11% e 14%, respectivamente. Na Argentina, a circulação de pessoas na rua chegou a ser de 9%. Foto: Ney Douglas.

Brasil tem quarto dia seguido com mais de mil mortes; óbitos passam de 35 mil

O Brasil superou a marca de 35 mil mortes por causa da pandemia de coronavírus. De acordo com os dados divulgados pelo Ministério da Saúde, no fim da noite dessa sexta-feira (5), foram 1.005 óbitos em 24 horas, foi o quarto dia consecutivo com mais de mil mortes registradas – dois deles com recordes.

Em relação ao número de confirmações, o Ministério anotou 30.830 novos casos. O total chegou a 645.771 casos desde o início da pandemia.

Com uma morte por minuto em 24 horas, Brasil bate recorde e é o 3º com mais óbitos por Covid-19

O Brasil atingiu a triste marca de 34 mil mortes por Covid-19, de acordo com os dados do Ministério da Saúde nessa quinta-feira (4). Em 24 horas, o país teve 1.473 óbitos, o que dá mais de uma morte por minuto (o dia tem 1.440 minutos).

Desta forma, o Brasil superou a Itália e se tornou o terceiro no ranking de mortes pela doença no mundo. Agora, o país só fica atrás de Estados Unidos, com 107 mil mortes, e de Reino Unido, com quase 40 mil.

Em relação aos casos confirmados, o Ministério da Saúde registrou 30.925 ocorrências. Em números fechados, são 34.021 mortes e 614.941 casos confirmados. Além disso, 4.159 óbitos estão em investigação.

Foi o segundo dia seguido com recordo no número de mortes. Na quarta (3), o Ministério havia confirmado 1.349 óbitos em 24 horas.

Foto: Amanda Perobelli/Reuters

Brasil registra 1.349 mortes em 24 horas e tem novo recorde

O balanço divulgado no fim da noite dessa quarta-feira (3) pelo Ministério da Saúde trouxe 28.633 novas pessoas infectadas com o novo coronavírus, totalizando 584.016. O resultado marcou um acréscimo de 4,9% em relação a terça-feira (2), quando o número de pessoas infectadas estava em 555.383.

Segundo o Ministério da Saúde, foram registradas 1.349 novas mortes nas últimas 24 horas, chegando a 32.548. O resultado representou um aumento de 4,1% em relação a ontem, quando foram contabilizados 31.199 falecimentos por covid-19.

Do total de casos confirmados, 312.851 estão em acompanhamento e 238.617 foram recuperados. Há ainda 4.115 óbitos sendo analisados.